Igreja Nossa Senhora do Rosário – Parnaíba

A Igreja do Rosário é uma das mais antigas de Parnaíba. Deve-se ao seu nome a denominação de Largo do Rosário a um dos jardins da antiga Praça da Graça (antes da reforma de 1982).Construída por escravos no século XVIII, mandado por Domingos Dias da Silva, sua construção teve por objetivo servir de local para celebração dos escravos, que não podiam entrar na igreja de Nossa Senhora das Graças, a padroeira da igreja é Nossa Senhora do Rosário dos Homens Negros.

Google Imanges

Google Imanges

Localiza-se na mesma praça que a igreja de Nossa Senhora das Graças, a poucos metros uma da outra, é um dos traços peculiares de Parnaíba, e para entendê-lo levamos em consideração um tempo em que o homem negro mantinha-se subjugado às ordens de um senhor branco, assim, poderemos compreender que tais igrejas, embora pertencentes ao um mesmo culto, dividia os homens, sendo os brancos na de Nossa Senhora da Graça, e os negros na do Rosário.

Google Imagens

Google Imagens

Sua fachada é bem simples, sem detalhamento, e possui uma única porta, tendo sido outras duas fechadas ainda no século XIX. Foi sede a inúmeras associações religiosas, a citar: Arquiconfraria do Rosário; Confraria de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro; Associação das Filhas de Maria Rosaristas, dentre outras. Segundo informações de Giovanni Barros, entusiasta e pesquisador da história de Parnaíba, uma antiga reforma na igreja do Rosário desenterrou uma dessas faces do horror: foram encontrados os ossos de uma pessoa acorrentada, que se supõe sejam de um escravo ou talvez de um criminoso condenado.

Google Imagens

Google Imagens

Supõe-se, até, que o corpo tenha sido enterrado vivo! “Muitas outras ossadas foram ali encontradas, não se sabe se pelo mesmo motivo ou por se tratar de um cemitério”, afirma o pesquisador Foi sede de inúmeras associações religiosas, a citar: Arquiconfraria do Rosário; Confraria de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro; Associação das Filhas de Maria Rosaristas, dentre outras.

Altar-mor (Google Imagens)

Altar-mor (Google Imagens)

FONTE: Patrimônio Histórico PHB